Marcelo garcia

Marcelo Garcia é considerado um dos melhores grapplers competitivos de todos tempo.

Oficialmente se aposentando das competições em 2013, ele tem 5 medalhas de ouro em campeonatos mundiais e já competiu contra um quem é quem de BJJ superstars. Incluindo Renzo Gracie, Cassio Werneck, Alexandre Ribeiro e muitos mais.

Apesar de seu talento pródigo e latente agarrando habilidade, Marcelo realmente começou sua jornada estudando a arte marcial japonesa do Karate; uma arte marcante ao invés de luta.

Mesmo tendo nascido no Brasil, o Jiu-Jitsu não era tão difundido fora das principais cidades da época e não estava disponível na pequena cidade em que cresceu.

Na verdade, Marcelo mais tarde diria que não tinha nem ouviu do BJJ na época.

Começando o treinamento

Ele começou treinamento caratê aos 8 anos na pequena cidade brasileira de Formiga e rapidamente ficou obcecado em melhorar suas habilidades. Embora com o passar do tempo, ele ficasse insatisfeito com a falta do que ele sentia ser aplicabilidade no mundo real e deixou de ver como praticar kata iria prepará-lo para uma altercação nas ruas mesquinhas do Brasil.

Quando tinha 12 anos, Garcia havia abandonado as artes marciais por completo.

Um amigo dele o convidou para ir a um local judo aula ministrada por Fabiano de Souza. Inicialmente cético em relação ao grappling e após um ano sólido longe dos treinos, Marcelo acabou concordando.

Ele viu imediatamente o contraste absoluto entre a estrutura rígida e clínica do caratê e a competitividade agressiva com o judô. Marcelo logo mostrou seu talento ao começar a acumular vitórias nas competições locais de judô.

Pouco depois de começar o judô, ele conheceu o Jiu-Jitsu quando acompanhou seu técnico a uma aula de Jiu-Jitsu do Iran Brasileiro, na cidade de Devinópolis.

Ele seguiu sua paixão indo à academia do Brasileiro três vezes por semana, além das atuais aulas de judô.

Ele ficou obcecado em se tornar melhor e aprender o máximo que pudesse sobre a arte, as técnicas e a rica história que a cerca.

Em algum momento de seu treinamento ele decidiu que seria campeão mundial. Mas por mais que gostasse de treinar em Devinópolis, ele sentia que não seria o suficiente para levá-lo onde ele queria estar.

Seguindo em frente

Garcia fazia viagens a outras academias pelo país para se aprofundar no Jiu-Jitsu e em uma dessas viagens se aventurou a ir a uma academia da Gracie Barra em São Paulo.

O que ele viu o surpreendeu.

Os alunos praticavam técnicas das quais ele nunca tinha visto antes, nem mesmo em suas revistas. Foi a primeira vez que ele viu alguém usar o guarda-aranha.

Isso cimentou os sentimentos em sua mente; Se ele queria ser campeão mundial, sabia que teria que sair e buscar a excelência em outro lugar.

Por sorte, o instrutor Paulo Rezende percebeu sua habilidade em torneios e convidou Marcelo para vir treinar e morar em sua academia em Poço de Caldas. Marcelo poderia dormir na academia e treinar 4 vezes ao dia em troca dele limpar o esteiras e outros trabalhos diversos que precisavam ser realizados na academia.

Marcelo aproveitou a chance e seus pais logo cederam; permitindo que seu filho de 16 anos seguisse seus sonhos.

Seguindo seus sonhos

Em Poco de Caldas, Marcelo começou a desenvolver seu jogo de guarda para emular o que tinha visto em São Paulo. Ele já tinha uma base forte como judoca e, portanto, um jogo de ponta forte, mas foi aqui que ele começou a trabalhar suas habilidades nas costas.

Seu trabalho duro valeu a pena e ele começou a ganhar gi torneios em todo o país, incluindo o campeonato mundial.

Ele competiu no peso e no absoluto, enfrentando e derrotando homens enormes que às vezes o superavam em mais de 100ibs.

Seu sucesso levou Fernando Augusto Terere, um atleta consagrado por seus próprios méritos, a oferecer a Marcelo a posição de auxiliar técnico em sua academia. Ele decidiu aceitar a oferta porque a academia era bem maior e mais avançada que a de Paulo Rezende e ele poderia treinar com melhores parceiros.

Mas nunca um para se contentar com nada menos do que o melhor, ele logo foi oferecido outro posição de técnico da lenda do Jiu-Jitsu e chefe da academia da Alliance, Fabio Gurgel.

O cargo lhe ofereceu mais dinheiro e estabilidade, por isso, mais uma vez, Marcelo agarrou a chance. Ele chegou ao ginásio como um cinto marrom que nunca treinou ou competiu no nãogi divisões.

Formando uma aliança

Foi na sede da equipe da Aliança onde ele começaria a aperfeiçoar seu sem kimono jogos; desenvolvendo e popularizando movimentos como arrasto de braço, guarda-x e sua famosa guilhotina.

Ele aproveitou a oportunidade para disputar a maior competição sem kimono do mundo, o ADCC. Ele chegou ao final das provas, mas se sentiu inseguro no último obstáculo. Mas devido à retirada do lutador do UFC Denis Hallman no último minuto, ele foi autorizado a competir como um substituto no último minuto, como um azarão massivo.

No ADCC, ele lutou contra Renzo Gracie e Shaolin Ribeiro, duas lendas do esporte. Todos esperavam que ele fosse derrotado com facilidade por um dos dois homens, mas para surpresa da torcida, Marcelo despachou os dois com facilidade rumo à primeira de quatro vitórias no ADCC.

Marcelo continuaria tendo um desempenho de alto nível, vencendo campeonatos mundiais e consolidando seu legado como um dos melhores de todos os tempos. Ele até teve uma breve, mas malsucedida, incursão em MMA em 2007 antes de voltar a lutar em tempo integral em 2010.

Depois de abrir sua academia em Nova York em 2009, Marcelo se esforçou mais para ensinar e compartilhar conhecimento do que competir, não competindo desde 2011 e se aposentou formalmente dos torneios em 2013.

Sua estimada academia tem estagiários viajando de todo o mundo para treinar e aprender com ele e produziu competidores ferozes como Gianni Grippo e Dillon Danis.

Sobre o autor

Richard Presley

Faixa-roxa do Jiu-Jitsu Brasileiro, Richard é o dono e principal escritor de Attack The Back. Verifique meu Sobre mim Page para saber mais!

Obtenha 20% de desconto em nossa loja usando o código LOCKDOWN20Comprar Agora